quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

MOEDAS VIKINGS - PENNY DE PRATA DE OLAF III

Penny de prata de OLAF III, o Pacífico (aD 1066-93)

Diametro 18 mm; Peso 0.89 gramas
Cunhado na Noruega




OLAF III Haraldsson, “o Pacífico”', rei da Noruega (aD 1066-93) ganhou seu apelido porque ele não herdou as características beligerantes de seus antepassados. A morte de seu pai Harald Hardruler em 1066 na Batalha de Ponte Stamford na Inglaterra é freqüentemente citada como um conveniente ponto final para a era Viking. Mesmo assim, é claro que os contactos estrangeiros noruegueses continuaram durante o domínio de OLAF. Sob seu reinado foram cunhadas algumas moedas bastante conhecidas que imitam de forma grosseira as moedas anglo-saxônicas por volta do primeiro milênio. Várias das moedas de OLAF foram encontradas nas Ilhas Britânicas, apesar de achado deste período ser raro, principalmente em se tratando de moeda metálica estrangeira.

Uma moeda deste tipo foi encontrada na America do Norte, confirmando aquilo que contam as sagas islandesas quando relatam que os exploradores Vikings descobriram a América por volta do ano 1000 (ai caramba! polêmica de novo!), ou seja, 500 anos antes de Cristovão Colombo. Na localidade de l'Anse aux Meadows, ao norte da Terra Nova foi encontrado um assentamento escandinavo, do tipo passageiro, ou seja, onde os colonos ficaram por pouco tempo. Este assentamento data do começo do século 11, e uma moeda do inicio do reinado de Olaf III foi encontrada mais para o sul no Maine, em uma área de colonização nativa norte-americana. Esta moeda pode ter chegado nesta área mais ao sul através dos colonos escandinavos ou foi passando de mão em mão nas rotas de comércio até chegar nesta colônia indígena.
 
REFERÊNCIAS

P. Grierson, Coins of Medieval Europe (London, Seaby, 1991)
M.M. Archibald, 'Against the tide; coin-movement from Scandinavia to the British Isles in the Viking Age', NNF-NYTT-1, 1 (1991), pp. 19-22
K. Skaare, 'An eleventh century Norwegian penny found on the Coast of Maine', NNF-NYTT, 2 (1979), pp. 4-17

Nenhum comentário:

Postar um comentário